quinta-feira, 15 de março de 2012

QUINTAL

As crianças desapareceram do quintal, foram levadas uma a uma pela vida, cada uma seguiu seu próprio caminho, ficaram as vozes e os risos das brincadeiras, que ainda ecoam nas lembranças que pintam as portas e as janelas de verde, de ilusão. No quintal ainda existe o catavento, a bomba d’água manual, que não bombeia mais água para saciar a sede das crianças no quintal. As portas e janelas verdes da casinha branca foram abertas uma a uma , ainda no nascer do dia, o homem com seus setenta e poucos anos saiu pela porta da frente, respirou o ar puro, caminhou até a bomba d’água manual, bombeou a água, lavou o rosto, saciou sua sede, olhou o catavento que se movia, sentiu o vento no rosto como se estivesse catando o vento assim como o catavento e como todas as manhãs atravessou o quintal e seguiu até uma árvore que ficava quase na subida do morro, onde nascia o pequeno riacho que passava lá no fundo do quintal, chegou junto à árvore, onde embaixo era a morada de sua esposa que se foi há álbum tempo, ajoelhou-se e orou como em todas as manhãs.

- Sinto saudades de você – murmurou baixinho

Sentiu o vento tocar seu rosto como se o beijasse, levantou, fez o sinal da cruz e voltou lentamente para casa, parou novamente na bomba d’água manual, que não bombeava mais água para matar a sede das crianças no quintal, matava a sede apenas de quem ficou sozinho catando o vento catado pelo catavento no quintal, que ficava muito além de qualquer litoral, bebeu água sendo observado pelos pássaros que estavam nas árvores ilustrando a manhã de sol, pintando de natureza o pequeno quintal. O homem que era observado pelos pássaros entrou na casinha branca com portas e janelas verdes, que estavam abertas, caminhou até a sala, pegou a espingarda de caça, que a muito tempo não pegava, havia muito tempo que não caçava, sentou no sofá com a espingarda e sentiu o cheiro da mata que observava pela janela. Lá fora os pássaros sobre as árvores fizeram silêncio quando sentiram as portas e janelas verdes da casa serem fechadas, ouviram o silêncio que vinha de dentro da casa, ouviram o vento pelas frestas entrar na casa, de repente partiram em revoada, todos de uma só vez, quando ouviram o grito da espingarda que ecoou em todos os cômodos da casa.

Arnoldo Pimentel

 

Esse conto faz parte da “Trilogia da Casinha Branca” caso o amigo(a) tenha um tempinho leia os outros dois nos links abaixo
 

ENQUANTO NOSFERATU PERCORRE A PAISAGEM DA SALA QUE FICOU ESQUECIDA NO VENTO

MURMÚRIOS DAS ÁGUAS





28 comentários:

  1. Tristeza e solidão, quando somadas levam as pessoas a terem atitudes extremas.


    Belo conto!

    ResponderExcluir
  2. Percebi, que foi uma sequencia de narração, não sei se estou certa, mas achei interessante e adorei.Beijinhos carinhosos para ti meu amigo.

    ResponderExcluir
  3. MELHOR SITE DE VENDAS http://www.mercadozets.com.br/

    VENDE DE TUDO

    BOMBA DE AR
    http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?texto=bomba+de+ar&IDCategoria=178

    CAMPING

    http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?idCategoria=178

    VENDE DE TUDO TEM BERÇO ELETRONICOS CELULARES TV NOTEBOOK COMPUTADOR ACESSORIOS PARA CARROS BRINQUEDOS ARTIGOS INFANTIS E MUITO MAIS

    ResponderExcluir
  4. Amei a mensagem eu tbm me perco no quintal. rs

    Amei Seu BloG:
    Estou Seguindo,Me Segue Tbm.

    Beijooos Cor de Rosa...!

    Marcelly Rosa ")

    http://marcellyrosa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Arnoldo,que conto comovente e muito lindo,com inesperado e triste final!Mas a poesia sempre presente em sua maneira de escrever!Bjs,

    ResponderExcluir
  6. Que triste fim! Nem a beleza de seu conto, em termos de construção e bela junção de palavras, impede que sintamos certa dor ao ler o final.
    Sua trilogia ficou encantadora. Parabéns! Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Arnoldo,
    muito bem-escrito, percebi na tua trilogia uma imensa capacidade tua de "visualizar a cena", o que te caracteriza como um excelente narrador! Gostei! Parabéns!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Um quintal sempre tem histórias Arnoldo e gostei de recordar também do meu tempo de menina e do meu quintal a beira do rio.
    Os tiros de espingarda espantaram as aves , desnecessário rsrs
    a solidão extravasou ali .
    abraços amigo

    ResponderExcluir
  9. O tiro das espingarda afugentou para longe aqueles que cantavam para o homem.
    Nunca mais o veriam.
    Um abraço Arnoldo.

    ResponderExcluir
  10. Oi amigo. Gostei muito do que acabei de ler! Há um tempo que venho aqui no seu blog e não consigo comentar. Hoje deu certo, graças a Deus. Beijos querido

    ResponderExcluir
  11. aRNOLDO,li as outras duas partes e agora compreendi melhor seu conto!Uma interessante trilogia e vc sempre inovador e inspirado!Gostei muito desse conto de suspense e como podemos ver as coisas de diferentes pontos de vista!Bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  12. Olá amigo!
    Os seus textos são de uma grande beleza.Há poesia no ar! Que maravilha de descrição dos lugares e de sentimentos. Parabéns!
    M.Emília

    ResponderExcluir
  13. A companhia da solidão, faz com que o tempo não passe e, quando passa vem cheio de lembranças. O partir nunca chega, principalmente quando se decide não mais viver.

    ResponderExcluir
  14. Belo alvorecer amigo !
    Gratificante poder ter essa oportunidade de ler um texto de um bom contexto...
    bjssssssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  15. Três grandes textos
    Sendo esse ultimo realmente muito triste.
    nada é mais triste que a solidão.

    ResponderExcluir
  16. Parabéns meu amigo, o modo como escreve nos cola à historia.
    Escreve sentimentos e nos transporta para o local onde tudo acontece.

    beijos
    cvb

    ResponderExcluir
  17. E será que eu entendi o que se passou (?)...
    Penso que sim, mas é chocante esse jeito... "de ajeitar a vida"(?)
    Triste, mas tem gente precisando de gente*; ninguém pode se sentir sozinho, o que podemos é sentir o "ninho que ficou vazio, mas Alguém pode chegar e...*tudo pode melhorar no dia seguinte * É preciso Seguir e acreditar! Sou só, mas penso que existe quem queira a minha companhia. Tenho esperanças.
    beijo.

    ResponderExcluir
  18. Com teu estilo e talento inovador, nos fizeste passear por teus maravilhosos espaços, Arnoldo! Parabéns pela trilogia que prendeu nossa atenção.
    Beijos, querido!

    ResponderExcluir
  19. Olá, estou com um blog novo e gostaria de ajuda sua e de todos.

    poderia seguir o blog?
    http://drcirosantos.blogspot.com.br/
    Obrigado

    ResponderExcluir
  20. Arnoldo
    És surpreendente em tudo. Em haikais e na poética de suas escritas.
    Este lindo conto me fez viajar ao quintal de minha infância. O poço artesiano, as árvores, as bananeiras ao redor.Os cabritos, os porcos as galinhas e os pássaros que agora silencia na saudade.

    bjs.

    ResponderExcluir
  21. Um belo domingo pra ti; beijos.

    ResponderExcluir
  22. parabéns pelo BLog que é muito bonito
    e pela belas postagens adorei conhecer
    deixo um abraço de boa tarde
    Bjuss Rita
    http://cantinhovirtualdarita.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. O vento traz suas notas.
    Ouve-se a canção da árvore.
    Cada cantiga leva sedas para a alma.
    Há vida neste quintal!

    Grande Abraço!

    ResponderExcluir
  24. Grande e adorável escritor...passando para deixar meu perfume e embriagar teu dia...Lindo


    Beijo

    ResponderExcluir
  25. Você é um excelente escritor. Descreve com tanta perfeição as cenas. Um mestre! Um lindo fim de semana! Bjs

    ResponderExcluir
  26. Arnoldo,seu quintal está no Recanto de ontem!Obrigada por permitir o compartilhamento!Bjs,

    ResponderExcluir