terça-feira, 13 de janeiro de 2015

O TIGRE DE PAPEL


           “Os homens que Pisaram na Cauda do Tigre” do mestre Kurosawa falava de valores como honra, dignidade, lealdade, talvez por isso tenha ficado na masmorra durante um tempo antes de ser liberado pelos censores. Os censores estão em todos os lugares, nas esquinas, nas escolas, no trabalho, na cidade, no campo e às vezes dentro de nós mesmos.
        
- Quer dizer que você está fazendo o dever de casa enquanto faço a chamada.
- Não tenho tempo professora, saio daqui e trabalho até tarde numa janela de frente pra rua, onde passam ônibus, caminhões e minha infância sem que eu a veja.
- Você ainda reclama. Vá para o quadro e escreva cem vezes o que eu ditar.
          A professora não ensinava democracia. Ela não sabia o que era democracia e gostava de atirar o apagador em nossas cabeças. Eu não sei o que é democracia, eu não conheço a coisa mágica que chamam de democracia. Uma vez eu estava numa manifestação trabalhista. Não havia ninguém nas ruas. As lojas estavam fechadas. Era uma greve. As reivindicações são sempre muitas, pois nunca são ouvidas. Como em todas as manifestações, os ânimos estavam exaltados, mas tudo estava sob controle até que eles apareceram, os da direita e os da esquerda, eles dizem que são diferentes, mas no fundo são iguais e eles iriam atirar, sempre atiram e nós éramos o alvo perfeito. Recuamos correndo pela rua, alguns amigos caíram, não tínhamos como ajudá-los, pois não tínhamos um opala, um gordini ou uma mercedes, ou uma cópia autenticada dos direitos humanos, só tínhamos nossa carteira de trabalho e um cartaz com os dizeres:
 “Não somos invisíveis, não somos almas ocas e queremos nossos direitos.”
Durante nossa fuga pela rua margeada por muros altos de concreto percebi que seríamos capturados, percebi que estamos mortos, que estamos todos mortos.
          Um dia levantei antes do sol, tirei minha mochila do armário e peguei a estrada que passava entre os abetos e os cactos floridos, eu podia ouvir a canção do vento cortando o céu onde as estrelas se moviam virando o rosto para não ver a liberdade em estado de sítio. Nessa viagem psicodélica eu imaginava que a estrada fosse infinita, que longe dali não haveria alamedas, porões, pátios vazios, números de registros ou salas decoradas, mas a estrada terminava no tempo que eu teria que bater na porta dos dias que nos esperam.
- Aonde vai?
- Vou pra longe, criar galinhas, plantar tomates e pimenta.
- Perdeu a coragem? Está fugindo da luta?
- Não. Cansei de lutar, já tenho muitas marcas, muitas marcas.

2 comentários: