segunda-feira, 16 de julho de 2012

Malditas Belezas




Malditas  Belezas
                                                       Sergio-SalleS-oigerS

São gordos de fome, d’água bichada; de roça lunar.
São porcos urrando cagantes melando em neve árida.

Malditas belezas talvez sobremesa de carcará
que depois de devorar os sonhos
tem o corpo a estropiar....

Pra quem a sede e a fome é a mais pesada cruz
uns são filhos de Deus
outros são filhos do pus.

Derradeira falange segue nessa volante atrás da xepa e do caviar.
Bebe o grito da filha, come a mesma agonia
de quem não tem o que vomitar.

Malditas belezas teu rosário de vespas já debandou teu patuá
para além da porteira caída dos sonhos
pra depois estropiar.

Pra quem a sede e a fome é a mais pesada cruz
uns são filhos de Deus
outros são filhos do pus.

A nova casa é a esquina, toda sacola é latrina,
qualquer migalha anima
já põe o bucho pra trabalhar.

Mas nem de fé e dinheiro
vive o povo catingueiro
de auto-flagelo, bulimia;
perseverança. Teimosia
faz a carcaça balançar.

Malditas belezas
tem comida na mesa
e água para bochechar
traz de volta na córnea, na íris os sonhos
de alguém a estropiar...

Pra quem a sede e a fome é a mais pesada cruz
uns são filhos de Deus
outros são filhos do pus.

39 comentários:

  1. Um tom forte e provocador. Gosto.
    Um grande bj querido amigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toda ação de uma força provoca uma reação, a contragosto ou não.

      Beijos.

      Excluir
  2. Tem umtom de Probido proibir do Caetano e do Gil!

    Maneiro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Semitonada, talvez. Tal qual a permissividade da vida.

      Excluir
  3. "Malditas Belezas" lembra a realidade que não é mostrada nos programas poilicamente corretos dos sábados e domingos pela manhã, do horário nobre e da hora do almoço, realidade que não interessa ser mostrada, não interessa ser conhecida nem erradicada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa já compartilhei no meu face. Palavras e ações em forma de arte para todos. Cada um fazendo sua parte para defender os questões que não são relevantes para a burguesia. Mas que tornam a massa mais forte. Se eles soubessem....por isso precisamos lutar culturalmente juntos defendendo nossa individualidade e respeitando as diferenças. Porém sempre juntos somando forças para cooperar com a melhoria o nosso país. Eles são minoria e concentra a riqueza e o poder, nós somos a maioria e concentramos a força da massa que é responsável pelas consequências que vive a nossa pátria.A moral ética junto com a moral cristã ecumênica, juntas em um só proposito. Pra finalizar amo esse conto africano:
      Ubuntu tio...Como uma de nós ficaria feliz se todas as outras estariam tristes. Sou quem sou porque somo todos nós. Obrigada por me presentear com a participação da reconstrução de nossa história. Beijo no coração.

      Excluir
    2. A Surrealidade é real. Diferente das palavras de promessa que nunca se concretizarão em ações.

      Excluir
  4. ¨"Perseverança!
    E o povinho tem muito que perseverar...Fazer o quê?
    Todos somos filhos de *Deus(?
    Ai, ai... Cadê a minha fé?
    Muito forte mesmo(o texto) 'tão verdadeiro!
    Bjinho

    ResponderExcluir
  5. Forte e realista! Gostei! Meu carinho, bjs

    ResponderExcluir
  6. Bom dia!!!
    Tudo que é belo faz a gente feliz e visitar vc é uma delas a felicidade está junto dos amigos
    Abraços carinhosos, com essa bela postagem que faz a alegria do meu dia!!!
    Bjusss pelo prazer de ter vc no meu cantinho
    Rita!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Gostei pacas!E do blog tb!
    Me faz uma visita? http://mardeletras2010.blogspot.com.br/2012/07/a-dor-do-regresso.html

    ResponderExcluir
  8. Arnoldo .obrigada pelo convite...

    Poema forte e verdadeiro..

    O poema nos faz ter contato com a realidade..muitas vezes maldita escondida por traz de um falsa beleza..
    Quem sabe a cura da miopia não esteja em lamber essas ferias...
    A saliva também cura..

    ResponderExcluir
  9. São versos fortes e intensos
    que mostram a verdadeira sociedade
    nas sombras, longe da Luz, afinal,
    uns são filhos de Deus
    outros são filhos do pus.
    Nas entrelinhas,entende quem lê com a alma,
    no ritmo da melodia o que a Paz não acalma...
    São doentes dos corpus...Ora, uns são filhos de Deus,
    outros são filhos do pus.
    Me empolguei e brinquei com teu poema, me expus,
    afinal, sou filha de DEUS,jamais filha do pus!

    Adoro interargir, desculpe, mas as vezes, me empolgo.
    Adorei, senti tudo muito forte, intenso, vida de pessoas,
    seres como nós que vivem a sombra dos poderosos, ricos.
    E Deus é a sua unica Luz. Gostei muito! Parabens!!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Bem diferente o linguagem e a forma de expressar, onde separa os filhos da luz e das trevas ou da sarjeta. Como a escória da sociedade que controla a totalidade. Como um acorde repugnante em sátira misturado com deboche. Gostei, bem diferente o poetar. Um abraço Arnoldo Pimentel.

    ResponderExcluir
  11. Poema forte , revela a crueldade de uma sociedade alienada, bela interpretação , gostei muito!! Parabéns a todos! Já estou segindo! Bj e Luz!
    Ana

    ResponderExcluir
  12. Feliz dia do amigo e obrigada por fazer parte da minha história nessa linda caminhada que me faz tão feliz aqui no blogger. Que você seja feliz hoje e sempre!


    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  13. Versos fortes e provocantes para uma sociedade dominada e dominadora pela "norma"!
    Versos onde as palavras são como setas aceradas!
    Pra lá de tudo isto, gostei da "perfomance"!
    Parabéns

    ResponderExcluir
  14. Oi Arnoldo!
    Gostei do vídeo,pena que dura só 35 segundos.
    'Malditas Belezas',me fez lembrar 'Vidas Secas';
    quanto descaso e abandono...
    Uns tem em excesso e pra outros falta o essencial.
    Adorei o texto.Forte.Realista e atual.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  15. Engraçado o que senti ao ouvir o pequeno trecho narrado pelo amigo, e depois continuando a leitura, tive a lembrança do poema de Castro Alves ( Navio Negreiro ) o sentimento de tristeza e angustia de um povo que vive a fome, a solidão. Gostei de vê-lo declamado, a sensação é mais forte. Vocês estão de parabéns pelo grupo, pelo trabalho; muito bom. Gostei muito.
    Boa tarde para vocês, e pra ti Arnoldo meu carinho sempre...

    ResponderExcluir
  16. Forte, visceral. Amo este estilo. Poesia é isso !!!
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  17. Parabéns ao grupo!
    É preciso, mesmo, além de viver e sofrer com tudo isso, bradar aos quatro ventos essa dura realidade...
    É preciso, mesmo gritar para que essa voz ecoe e quem sabe sensibilize aqueles que detêm o poder e podem realmente fazer alguma coisa para erradicar a miséria do nosso país...
    A realidade nem sempre nos agrada...
    Ela é feia e machuca...
    Gostaria muito que, tudo isso que descreveram, não fosse verdadeiro... Gostaria que a nossa realidade política fosse outra...
    Gostaria de um mundo sem fome e sem egoísmo...
    Enfim, de um mundo sem miseráveis...
    Miseráveis, resultado da corrupção e desmandos de nossos políticos...
    E de miseráveis políticos, egoístas e que só trabalham em prol dos seus próprios interesses, dos seus pares e dos seus partidos e quem infelizmente não são os meus e nem os seus...
    Arnoldo, a você o meu abraço e o meu muito obrigada pelo convite!
    Sucesso ao grupo!

    ResponderExcluir
  18. Uau!Adorei o grupo de vcs!Texto forte,provocador e grupo bem afinado em todos os sentidos!Parabéns!bjs,

    ResponderExcluir
  19. Versos moderníssimos, de uma poesia pungente que encontra-se vivificada em cada olho humano em multidão. Aplausos amigo, e de pé!

    ResponderExcluir
  20. Forte, ousado e provocante, não se pode ler sem refletir.

    ResponderExcluir
  21. Navalhada; cortante realidade.
    Esse poema me fez lembrar Augusto dos Anjos.

    ResponderExcluir
  22. Bom dia!
    Simplesmente maravilho esse poema,peço permissão para trabalhar com meus alunos com o devido nome dos autores.
    Grande abraço
    se cuida

    ResponderExcluir
  23. Uauuuu, feliz pelo convite e sinceramente me apaixonei aqui.Divino
    Grata sempre amigo ♥

    ResponderExcluir
  24. Olá Arnoldo, obrigada pelo convite!
    "Maldita Beleza" mostra a ferida de um povo
    purgando de dor.Um grito que faz a diferença.
    Parabéns! Beijos!

    ResponderExcluir
  25. OBRIGADO PIMENTEL PELO CONVITE!!!
    CÁ CHEGUEI E APRECIEI SÓ, E AINDA, ESTE TRABALHO MUITO INTERESSANTE,CRITICA SOCIAL DURA NAS PALAVRAS, MAS GOSTEI DO GÉNERO!!!
    POR AQUI TAMBÉM SE ESCREVE ALGUMAS COISAS PARECIDAS!!!

    1 BEIJO LÍDIA

    ResponderExcluir
  26. FIZ-ME SEGUIDORA E!!!
    FIZ CAPICUA!!!
    222 É DE DAR SORTE!!!

    PARABÉNS LÍDIA

    ResponderExcluir
  27. Acutilante poesia. Alerta de consciências embotadas. Grito de dor e de revolta. Linda de morrer. Desta beleza natural, sem rodeios ou floreados. Crua mas não cruel. Crua porque toca na realidade. Não cruel porque a realidade é, apenas, crua. Por vezes chocante e até vil. Mas é a realidade da vida do ser humano egoísta, que vê no outro degrau para subir em vez de irmão para amparar ou ser amparado.
    Adorei este poema. Parabéns ao autor. Obrigado Arnoldo, por me solicitar o despretensioso comentário.
    Grande abraço amigo. Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  28. OI SÉRGIO!
    ESTOU AQUI A CONVITE DO ARNOLDO.
    PELO QUE ENTENDI É UM BLOG DE PARCERIA, MAS ESTE TEXTO É DE TUA AUTORIA.(?)
    NA CONSTRUÇÃO DESTE TEXTO SENTIMOS A MISÉRIA DESTE POVO SOFRIDO, QUE VIVE NO OSTRACISMO, ESCONDIDO,SOFRENDO COMO SE NEM BRASILEIROS O FOSSEM.
    DEVERÍAMOS TODOS NOS ENVERGONHAR, E GRITAR ATÉ SERMOS OUVIDOS, COMO MAGISTRALMENTE NESTE TEXTO O FAZES.
    ABRÇS
    http://gambiarraprofana.blogspot.com.br/2012/07/malditas-belezas.html Arnoldo Pimentel

    ResponderExcluir
  29. Palavras fortes para gritar realidades.
    Gostei muito
    abraço
    cvb

    ResponderExcluir
  30. Poema é um grito, pode ser de loucura, amor, paixão, solidão...
    Esta em palavras sofridas, como em uma revolta, uma revolução nos remete a vergonha de vivermos em um país com tantos desníveis sociais. Uns com tanto e não estão nem aí, outros com pouco ou nada que nem mesmo uma voz para gritar. Essa poesia nos desce pela garganta revolta. Mas não tapa o "sol com a peneira" e nos faz descer dos pedestais da nossa beleza, da nossa arrogância e da nossa superficial militância de rede social.
    Faz refletir bastante!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  31. "Malditas Belezas" Uma forma de mostrar o quanto é assombroso a nossa realidade nua e crua. Uma maneira de se expressar sem rodeios e sem cerimonias. Impossível calar e ignorar diante do que vemos e presenciamos no dia a dia. Manifestar é preciso sempre, um dia quem sabe uma LUZ iluminará a alma dos dirigentes da escuridão e nos mostrarão que é possível um mundo melhor, por mais difícil que seja, não podemos perder a esperança. Penso eu.

    Arnoldo, obrigada pelo convite! Parabéns, adorei a Gambiarra Profana. Sucesso sempre a todos!

    ResponderExcluir
  32. Malditas belezas tem tudo de sagrado... bjuuu

    ResponderExcluir
  33. Passei, seguindo os passos de Arnoldo Pimentel...bem criativa a perfomance.

    Muito sucesso para o grupo e para a poesia de vocês!

    Abraço do Pedra

    ResponderExcluir
  34. Poema de palavras tão duras quanto dura é a realidade vergonhosa de, cada vez mais, aumentar o fosso da diferença social à escala mundial.
    A hipocrisia "dos ditos srs da finança" está a gerar uma nova era das trevas, arrastando a humanidade para o vazio.
    Bem haja quem "grita"!!!!
    A união faz a força e não devemos esquecer que o nº de "quem não tem para vomitar" é muito, mas mesmo muito superior aos tais da tal "beleza maldita".... sintonizemos pois, a inteligência e Deus nos guiará.

    Muito obrigado Arnoldo pelo seu convite!!!!
    Pelo meu comentário, percebeu que adorei conhecer este espaço.
    Um abraço de amizade
    Ana Paula

    ResponderExcluir
  35. Parabéns! É preciso escancarar o que fica embaixo dos tapetes da Globo, atras das vitrines dos shoppings é preciso provocar!

    ResponderExcluir