quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Mãe D'Água




As gotas caem no azul
Tão indecentes como um beijo na boca
Molho o meu corpo
Como se a água fosse saliva
E brotasse dos orifícios da minha pele.
O velho rabo de peixe mexe e remexe
A espuma de água-doce.
Mas a benção desse refrigério
Está na humildade em que eu
Bebo do leite de seus seios
Que foram feitos para amamentar crustáceos.
Água; verdadeiro corpo da terra.

Marcio Rufino
Todos os direitos reservados

4 comentários:

  1. Que demais!
    Um poema diferente, uma visão linda descrita aqui.
    Parabéns Márcio.

    ResponderExcluir
  2. Puro incesto. Tão próximo a Édipo. Ora tesão, ora devoção.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, q lindo! Gostei daki e vou seguindo!!!

    ^_^`

    ResponderExcluir