sábado, 7 de maio de 2011

FILHO CAÍDO

Filho que um dia embalou
Amamentou
Filho que sempre amou

Aquele ali caído um dia foi seu filho
Filho que sempre desejou vê-la morrer
Filho que um dia deixou de ser
Quando escolheu a violência como religião
Como ganha pão

Filho caído com 8 buracos no peito
Para ele
Ela era apenas a puta que o pariu
O filho que partiu

Agora ela sentiu alívio
E agradeceu a Deus
Pelo o que aconteceu
Com o filho que seu sacrifício nunca reconheceu

Que se estremeceu
Até morrer na calçada
Até não ser mais nada
Filho que só trouxe dor
E a violência levou


6 comentários:

  1. Um poema real, mas triste demais...nao dor maior para uma mae que perder seu filho para vida desta forma...

    ResponderExcluir
  2. Arnoldo..
    Não posso dizer que gostei da sua poesia.
    Não gosto desta parte da vida. Que sei que é a realidade. Muito menos fecho olhos pra ela.
    A poesia tem a missão de tocar o nosso coração. Objetivo atingido.
    Nem sempre toca pelo amor né?as vezes toca pela dor.
    me tocou pela dor.
    Um lindo domingo a vc, meu amigo poeta!!

    Aproveito para agradecer a sua visita a meu blog., sempre tão gentil.

    Um beijo!

    Ma Ferreira

    ResponderExcluir
  3. É uma triste relidade, que hoje vemos estampada nas primeiras páginas dos jornais.
    Um abraço, obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  4. Mesmo que a palavra "obrigado" signifique tanto,
    não expressará por inteiro o quanto seu
    gesto atencioso e delicado foi importante
    para mim no dia de hontem."
    Dias da mães...Hoje ja não tenho mais a minha.
    Mais sou mãe ..isso faz com
    que esse dia fosse menos triste.
    E tenho o carinho da sua amizade
    Que é tão importante para mim.
    Obrigada de todo coração.
    beijos,beijos,Evanir.

    www.aviagem1.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. É triste, mas é verdade;
    Beijos

    ResponderExcluir