sábado, 9 de abril de 2011

ORGASMO

                                       
                      
Sentiu todo orgasmo
Da solidão
Quando abriu
O pequeno portão
E viu as luzes da casa
Apagadas
Sentiu-se tão sozinha
Que nem mesmo olhou pro lado
Abriu a porta
E foi direto pro seu quarto
Despiu-se
Deitou-se 
Ficou olhando pelas poucas
Telhas de vidro
Entregando-se nua
Pra lua
                                   

8 comentários:

  1. Arnaldo conheci seu blog agora e dei uma lida nas suas poesias... Parabéns! São lindas e você tem mesmo talento^^ Continue divulgando sempre!
    Estou seguindo seu blog...

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Poeta,

    Que bonito Arnoldo! Gostei muito amigo.


    Carinhoso beijo e bom domingo.

    ResponderExcluir
  3. PS: O fundo deste blog está maravilhoso!!! Não havia comentado ainda. Fica o registro.


    Beijos em todos do Gambiarra Profana.

    ResponderExcluir
  4. Bonitos versos, Arnoldo.
    Um poeta talentoso, a quem agradeço pela simpática visita ao meu blog.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Sutil e ao mesmo tempo tão intensos estes versos!

    ResponderExcluir
  6. Essa solidão que cerca,,,quem maltrata e que devora...belissimos versos meu amigo...abraços de bom dia...

    ResponderExcluir
  7. Agradeço a sua visita ao meu blog. retribuindo deixando um abraço para todos os poetas.

    ResponderExcluir
  8. Belas postagens. Parabéns!
    Um abraço.

    ResponderExcluir