domingo, 27 de março de 2011

O que desceu dos olhos
agora, nesse instante
puro, não são lágrimas
de um pierro perdido
no fim de carnaval
o que choro agora
são toneladas imensas
de amor acumulado.

Jorge Medeiros
(08-03-2011)

8 comentários:

  1. Olá amigo Jorge!
    Que bélo poema escreves-te para nós, gostei muito, vou-te seguir!

    Vai até aos meus blogues, principalmente no novo! Deixa lá o teu comentário.

    http.transpondo-barreiras.blogspot.com

    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  2. Que belo poema de Jorge Medeiros! Inspiração recente...



    Beijos com carinho e linda semana amigo.

    ResponderExcluir
  3. Muito bonito seu poema, tem uma identidade toda sua de escrever, beijinhos.

    ResponderExcluir
  4. Enxugue....
    Não segue
    Permite
    Sonhe
    E vive.....
    Bacana o trabalho Jorge...

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. "Sorria,
    Sempre nos momentos
    de tristeza e angústia
    Para que a alma não se acostume ao sofrimento,
    não se cale em desespero,
    e não adormeça eternamente
    Sorria,
    Para que a vida seja mais bela
    Para que o amor seja mais forte e verdadeiro
    Para que as flores e tudo mais possam fazer sentido
    Sorria
    Sempre que a vida parecer confusa
    Para que as luzes possam brilhar,
    e para que as respostas e soluções possam surgir,
    para os problemas serem mais fáceis de serem resolvidos...
    Sorria
    Em todos os momentos da vida
    Porque o sorriso é um remédio para
    todas as dores, e um meio de se chegar
    a completa e verdadeira Felicidade"!

    Tenha um exelente fim de semana de muitas realizações bjos.

    ResponderExcluir
  7. Sempre tem uma hora que a barragem estoura. Aí é água que não tem fim, água salgada.

    ResponderExcluir